dengue

A Secretaria de Saúde da Prefeitura do Alegrete teve a confirmação no início do ano de 16 focos do Aedes Aegypti na zona urbana. Com este número, o município é considerado em infestação. Concentrados na Cidade Alta, Centro e Vila Nova (proximidades da estação férrea), grande parte dos focos identificados encontram-se em residências, sendo os demais em armadilhas que estão instaladas em pontos estratégicos da cidade.

Para o coordenador do Controle de Vetores da Vigilância Epidemiológica, Marco Bianchi, o descuido da população quanto às orientações básicas para o combate à proliferação de larvas preocupa. “A cada 10 casas visitadas, em oito delas são encontrados depósitos de água parada, sendo que em seis são coletadas amostras”, explica.

Os 20 agentes do setor vem trabalhando intensamente em campo para aplicar ações de educação e retirada de recipientes potencialmente criadouros de larvas. Contudo, ainda há resistência por parte de moradores que não facilitam o acesso às residências para a aplicação de larvicidas e inseticidas específicos para o mosquito, bem como a atenção às orientações, principalmente nas regiões onde concentram-se os focos.

De acordo com a secretária de Saúde, Maria do Horto Salbego, o próximo plano de ações de combate ao vetor da dengue, chikungunya e zika vírus terá o reforço dos agentes comunitário de saúde. “Já estamos finalizando o plano de ações para os meses de janeiro, fevereiro e março, que são os meses mais críticos para o combate ao aedes aegypti por causa do calor que facilita a proliferação do mosquito”, comenta.

VISITA DO CEVS – Buscando qualificar ainda mais o trabalho educativo com a população e o combate aos focos do vetor, o setor recebeu na última semana a visita Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS), que trouxe orientações sobre os procedimentos para o controle dos vetores e supervisionou o trabalho em campo dos agentes.

LABORATÓRIO – Desde maio deste ano a Vigilância Ambiental conta com um laboratório de entomologia, que deu agilidade às análises das amostras coletadas. Análises laboratoriais que antes demoravam até 15 dias, agora levam no máximo dois dias para se confirmar o foco do vetor. Isso garante maior efetividade na eliminação de larvas do mosquito Aedes Aegypti.

Confira orientações para prevenção da dengue:

  • Virar garrafas vazias com a tampa para baixo;
  • Não deixar entulho no quintal ou nas ruas;
  • Cobrir a caixa dágua e piscinas;
  • Guardar baldes virados para baixo;
  • Varrer a água parada, inclusive a das lajes;
  • Colocar terra ou areia nos pratos de vasos de planta;
  • Retirar as folhas e sujeira de calhas que dificultam o escoamento da água;
  • Lavar todas as semanas baldes e tanques que armazenam água;
  • Se tiver plantas aquáticas, lave com água e sabão a parte de dentro do vaso, todas as semanas;
  • Manter a lata de lixo devidamente tampada;
  • Guardar pneus em locais cobertos, longe da chuva. Faça furos na parte de baixo ou entregue no serviço de limpeza;
  • Muros com cacos de vidro: colocar massa ou areia para evita que a água da chuva se acumule;
  • Verificar se há água acumulada nas bandejas dos aparelhos de ar-condicionado.

Compartilhar!