Médias sinalizam aquecimento de mercado pecuário para o semestre

Segundo especialista, venda de gado em pé para o Oriente Médio ajuda a reforçar cotações do boi
O mercado para a pecuária no país no segundo semestre deve ter venda em alta com preços remuneratórios e médias satisfatórias para os vendedores de gado. A avaliação é do leiloeiro e diretor da Trajano Silva Remates, Marcelo Silva, com base na observação do comportamento do mercado nos eventos realizados nos últimos meses, que estão demonstrando um aquecimento de mercado para quem tem qualidade genética para vender.
Segundo Silva, um exemplo foi o último leilão virtual GAP Brasil, que teve liquidez e médias acima das esperadas, o que deve se refletir na próxima temporada de primavera da pecuária gaúcha. “Estamos encarando com muito otimismo as vendas de primavera, haja vista os resultados que vêm acontecendo nos leilões no Centro do país e também em remates com participação de animais do Rio Grande do Sul como foi o leilão da GAP, com médias satisfatórias. Teremos uma comercialização franca desde que a qualidade e apresentação dos animais esteja à altura”, observa.
Outra questão que pode puxar a alta nas vendas é a exportação de gado em pé. Conforme o dirigente da Trajano Silva Remates, regiões mais ao norte do país, além de Argentina e Uruguai, estão aumentando suas exportações para o mercado externo, especialmente o Oriente Médio. “O Uruguai, por exemplo, vem quebrando recordes na exportação de gado em pé. Isto é uma coisa que veio para ficar, pois os compradores do Oriente Médio não têm de onde mais buscar carne de qualidade e isto não vai ter interrupção de fluxo”, sinaliza.
Entretanto, as restrições que estão sendo avaliadas por governos após pressão de ONGs podem prejudicar este mercado ao produtor. Em São Paulo, por exemplo, já está tramitando a proibição de exportação de animais vivos. Já no Rio Grande do Sul o tema vem sendo debatido e gerando controvérsias. “Esta é uma questão temporária de ajuste, considerando que tem gente que não conhece a realidade brasileira, e esta falta de informação vai acabar quebrando a economia”, destaca Silva.
Foto: Trajano Silva Remates/Divulgação
Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Compartilhar!


Comentar com Facebook