Neste dia seis de julho é comemorado em todo o mundo o dia Internacional do Cooperativismo. Criada em 1923 para celebrar a importância da cooperação como alternativa aos sistemas econômicos tradicionais, a data é comemorada sempre no primeiro sábado de julho de cada ano.

A entidade que congrega e representa as cooperativas no mundo é a Aliança Cooperativa Internacional (ACI), atualmente presidida pelo argentino Ariel Guarco, liderando as 315 organizações cooperativas em 110 países. Para Guarco “A veloz transformação da economia e a digitalização da maioria dos processos de produção, circulação e consumo de bens e serviços nos obriga a ser protagonistas. Se deixarmos que todo esse processo fique em mãos de grandes corporações, não estaremos cumprindo o papel”, disse em entrevista dirigida a um grande jornal brasileiro.

O dirigente da ACI também se preocupa com um dos principais problemas da agropecuária que é a sucessão rural. Guarco diz que é preciso mostrar às novas gerações as vantagens do cooperativismo no agronegócio. As cooperativas podem inovar na produção agrícola sem deixar de lado seus princípios e valores, e atuar de maneira independente. Os jovens são os mais indicados para levar a cabo a incorporação de novas tecnologias no âmbito agropecuário.

Sobre o papel do cooperativismo no fomento do desenvolvimento sustentável, sugerido pela Organização das Nações Unidas o líder cooperativista lembra que desde a criação da primeira cooperativa da era moderna, em 1844, nossas organizações sempre serviram ao que agora é definido como desenvolvimento sustentável. Trabalho decente, saúde e bem-estar, igualdade de gênero, cuidado com o meio ambiente e compromisso com a paz, para citar apenas algumas das metas estabelecidas pelas Nações Unidas, são sempre pilares do empreendimento cooperativo. Isso torna o cooperativismo um movimento muito poderoso quando se trata de abordar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS 17), que pede a criação de alianças globais na busca do desenvolvimento sustentável.

Alguns números do cooperativismo no RS:

Por essência, o Rio Grande do Sul é um Estado cooperativista. São 437 cooperativas nos 13 ramos de atividades econômicas que geram 63,8 mil empregos diretos, sendo 90,7% nos ramos Agropecuário, Saúde e Crédito. A importância das cooperativas gaúchas se evidencia pelo O desempenho do cooperativismo gaúcho se reflete no crescente aumento do faturamento, que no último ano chegou a R$ 48,2 bilhões. Desempenho 12,13% superior em relação ao período anterior, com crescimento de 18,49% nas sobras apuradas e aumento do patrimônio líquido, alcançando R$ 15,8 bilhões, 12,61% acima do ano anterior. Os ativos tiveram incremento de 7,34%, atingindo a soma de R$ 74,3 bilhões. Somente no ramo agropecuário são 350,2 mil associados em 128 cooperativas que empregam 36,6 mil pessoas.

Em Alegrete o cooperativismo de produção nasceu a partir da necessidade de cooperação de um grupo de produtores que precisavam unir forças, e no dia 20 de dezembro de 1948 formaram a primeira cooperativa de Alegrete, a Cooperativa Arrozeira Alegretense que mais tarde se uniria à Cooperativa Orizícola Progresso, que já havia incorporado a Cooperativa Tritícola.  O resultado dessa união foi a criação em 03 de dezembro de 1977 da Cooperativa Agroindustrial Alegrete Ltda, a nossa CAAL, que mais tarde, em 1999, incorporaria a Cooperativa Rizícola Santa Terezinha. Desde então, a cooperação e a confiança são a base da união dos cooperados da CAAL, resultando hoje na sólida estrutura que congrega cerca de 500 associados, gerando mais de 450 empregos diretos, além de envolver milhares de pessoas em toda a cadeia produtiva.

O que é cooperativismo?

Para o PhD em Análise Institucional e Políticas Públicas pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) Júlio Aurélio Viana Lopes, é o movimento social que busca concretizar a proposta do teórico britânico Robert Owen: tornar a cooperação entre interesses individuais na forma preferencial, ou até exclusiva, de satisfação das necessidades humanas. Nesse sentido, para a realização de quaisquer interesses individuais, especialmente o trabalho e o consumo, a cooperação seria mais racional, rápida e segura do que a competição. Hoje, a entidade mundial do movimento – a Aliança Cooperativa Internacional – é a maior ONG do planeta, com cerca de um bilhão de membros e mais de cem anos de existência.

Um breve histórico do sistema cooperativista:

1844, surge na Inglaterra a primeira cooperativa do mundo.

1902, Nova Petrópolis, surge a primeira cooperativa brasileira.

1949, primeira cooperativa de Alegrete.

1977, nasce a CAAL.

O tempo passa, e o cooperativismo continua sendo o mais moderno, mais democrático e mais promissor sistema econômico.

Valores do cooperativismo:

• ajuda mútua;

• responsabilidade;

• democracia;

• igualdade;

• equidade;

• solidariedade;

• honestidade;

• transparência;

• responsabilidade social;

• preocupação pelo seu semelhante.

Compartilhar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.